Facebook     YouTube
MENU

IDIOMA
             


COMENTÁRIO INICIAL

NOME:    ThisIsIT
EMAIL:   thisisit@thisisit.com
30.06.2009 - 23:14

Meu amor,
Prometo que a eternidade será só nossa
E quando a lua escurecer eu te iluminarei
Quando o sol arrefecer cá estarei
E te aquecerei
Porque as minhas lágrimas não secam jamais
Não dou esse prazer à lua
Ninguém as vê
Mas calo a dor lá no fundo
Porque nós temos a eternidade
E a vida jamais chegará para te amar
Meu amor,
Continuar a perder-te e encontrar-te
Encontrar-te para te reviver
E se o caminho se desfizer
Cá estarei para o reconstruir
Com a luz da lua
Com o calor do sol
Meu amor, eternamente meu amor




RESPOSTAS

NOME:    Laboura
EMAIL:   laboura@rural.pt
RESPOSTA Nº 1
01.07.2009 - 04:08

isto de certeza que é direcionado ao Gatinho Rir Rir


NOME:    Manitas
EMAIL:   luispistone@hotmail.com
RESPOSTA Nº 2
01.07.2009 - 11:56

Bonito...


NOME:    Carneiro
EMAIL:   uiui@home.pt
RESPOSTA Nº 3
06.07.2009 - 10:14

Para um gatinho deve ser de certeza, resta saber quem é o bichano... Rir


NOME:    thegirl
EMAIL:   thegirl@sexy.com
RESPOSTA Nº 4
06.07.2009 - 22:39

alguem me pode esclarecer quem é o gatinho?
bj


NOME:    braga
EMAIL:   bim@braga.pt
RESPOSTA Nº 5
07.07.2009 - 03:18

que inocente que ela é Rir Rir


NOME:    ThisIsIt
EMAIL:   thisisit@thisisit.com
RESPOSTA Nº 6
07.07.2009 - 14:11

Não é para ninguém em concreto. Muito menos esse tal gatinho que nem faço ideia de quem possa ser. À muito que escrevo poemas e este foi um deles, já que este livro de visitas está aberto ao publico, apenas o publiquei aqui. Há algum problema?


NOME:    Carneiro
EMAIL:   tom@la.pt
RESPOSTA Nº 7
07.07.2009 - 15:14

Por quem é, não há problema nenhum! Fez mto bem em escolher este livro de visitas para publicar tamanha beleza escrita. Mas que não deixa de ser estranho não deixa.

Saude.


NOME:    Carneiro
EMAIL:   yo@yo.pt
RESPOSTA Nº 8
14.07.2009 - 12:43

Já abriram esta secção de poesia, cá vão duas das minhas pérolas favoritas:

Chove, cai neve
Gela a água no bidé
Quero lavar o cu,não posso
É bonito, não é?


À três dias que não janto
À quatro que não almoço
Tenho uma espinha no cú
Quero cagar e não posso


Saudinha daquela em prosa


NOME:    Mestre
EMAIL:   estuna@est.ips.pt
RESPOSTA Nº 9
14.07.2009 - 20:24

À média luz te vi,
À média luz te amei,
E foi à média luz,
Que à mé(r)dia te mandei.

Toda a vida fui pastor,
Toda a vida guardei gado,
Tenho uma cova no peito,
De me encostar ao cajado!

Há cabrões que são cabrões,
E há cabrões que não o são,
E há cabrões sem terem dono,
E há cabrões de um cabrão.

Eu canto para distrair,
Mas não sou poeta ilustrado,
Gosto é de cantar os meus ofícios,
Em que eu tenho executado.

Eu sei cantar e tu não,
O meu canto é apoiado,
Sou capaz de dar lição,
Aos melhores cantores de fado.

Estas últimas três quadras são da autoria do Sr. Manuel José Santinhos, mais conhecido por Ti Manel José do Tojal.

Abraço